Harper

Membro Mestre
  • Total de itens

    1.628
  • Registro em

  • Última visita

Sobre Harper

  • Rank
    Arakawatard&Urasawatard
  • Data de Nascimento 12/16/94

Informações de Perfil

  • Gênero
    Masculino
  • Local
    Indaiatuba-sp
  • Interesses
    Musica e mangas... um pouco de series, filmes e jogos.

Últimos Visitantes

3.693 visualizações

Profile Song

Histórico de Nome de Usuário

  1. Hiden acordou por algumas vezes durante a noite por causa dos sonhos de infância, a situação da ilha com certeza era um gatilho para suas lembranças, contudo não chegava a ser um passado horrível, então logo pois os pensamentos turvos de lado e resolveu admirar a noite estrelada que via. Antes de dormir havia esperado o barman e o farmacêutico que disseram que o procurariam, mas além de não aparecerem, a torta de maçã pesou na barriga do samurai, o suficiente para faze-lo ficar com preguiça e não perambular pela ilha. Se o samurai não procurou por problemas, os problemas o procuraram. As vozes peculiares e os sons de chicote ecoaram pelo quarto e faziam o rapaz levantar em um pulo, o instinto faziam o mesmo passar a mão pelo cabo de suas katanas e ficar em alerta. Imaginava o que estava acontecendo, mas não queria estar correto, pois se na infância ele ficou omisso a crueldade, hoje ele não ficaria parado. Hiden tratou de se aproximar da janela e poder observar com atenção o que acontecia, esperaria algum momento para tirar suas conclusões para agir. Com o pior confirmado, ter algum trabalhador sendo castigado, o samurai não hesitaria e sacaria a Amaterasu já a apontando para quem tivesse com o chicote e o atacando com shibui, criando uma dezena de balas de diâmetro pequeno que fossem em direção ao peitoral inimigo. Como uma conversa é mantida por no mínimo uma dupla agiria rapidamente pulando pela janela, que já estaria quebrada pelo golpe anterior, em direção a segunda voz. O samurai pulava com suas duas katanas paralelas a frente do seu corpo e prontas para fazer um movimento de corte transversal, evidentemente esperava uma reação rápida de quem fosse e estava alerta com seu Haki para caso algum deles oferecesse perigo a sua defesa. Um ataque com força e do alto vindo de surpresa era para pegar qualquer um desprevenido, apesar de isso depender do mestre, porém o intuito principal era fazer quem tivesse na tortura se afastar do torturado, e depois de pousar no chão o samurai poderia tomar sua postura de batalha de modo que não ficasse de costas para nenhum inimigo, ficando atento com seu haki para poder se defender e revidar. Caso estivesse apenas imaginando sons e não tivesse nada problemático do lado de fora, Hiden não agiria dramaticamente e sairia do quarto pela porta, procurando a saída da estalagem, não antes de passar pela porta das duas mulheres para ver se estava tudo em ordem. Uma vez fora de lá, iria andar tranquilamente em direção ao porto. Isso só aconteceria se não tivesse problemas. @Azrael
  2. ONE PIECE #986 -DISCUSSÃO DO CAPÍTULO

    Que capitulo foda, muito bem construído e com uma fluidez bacana. Luffy está bem amadurecido ao deixar os samurais começarem a guerra... Próximo capitulo os samurais infiltrados devem começar a treta toda kkk ai vai ficar interessante, mais interessante ainda é o que a Big Mom fara assim que ver o Luffy ali, deve dar uma treta logo no começo deles dois
  3. Hiden caminhou pela praça até a estalagem com tranquilidade enquanto carregava as tortas que havia comprado, havia dado uma certa atenção do seu olfato para as tortas, se o cheiro estivesse bom, certamente o gosto também estaria. Ao chegar ao local, um sorriso largo lhe tomou a face ao ouvir a musica, o que tinha presenciado da ilha até agora era de fato bem desgostoso, mas a melodia dava uma sensação bem diferente daqueles pobres trabalhadores, de alguma maneira dava uma lembrança da sua infância. Interpelado pela atendente, logo notou as características mais comuns que viu na ilha na moça e deu um suspiro, que levou seu sorriso pela música e o trouxe de volta a realidade difícil da ilha. A mesma levava ao quarto destinado ao samurai e lhe falava sobre suas companheiras, o que não foi nenhuma surpresa para ele, já que elas se conheciam a pouco tempo para dividir um quarto, já o aviso lhe chamou mais atenção, o fazendo olhar pela janela e notar os mascaradas, o que engatilhou uma lembrança sua. ~~ Creio que essa deve ser uma das minhas primeiras lembranças, eu devia ter meus 5 anos e a vila era regida pelo meu vó, uma pessoa retrograda e cruel, e da janela do meu quarto eu conseguia ver o pátio do castelo, e de lá eu via cerca de 5 servos da casa amarrados em mastros com marcas de sujeira por todo o corpo e com seus pés e mãos desgastados, naquela época isso me parecia normal, estavam lá a alguns dias com o pretexto de terem roubado comida, até hoje não esqueço seus lamentos que me causavam calafrios. Questionei meu pai sobre mas ele disse que eles mereciam por quebrar a lei do shogun, aquele olhar dele enquanto tentava me explicar só fez sentido anos mais tarde; sofrimento e tristeza. No final da punição, mascarados degolaram os servos em sinal de alerta para os outros, esses mascarados eram a guarda real do shogun e um dos maiores pavores da vila, se a um sentimento que lembro desde criança é ter ódio desse tipo de pessoa. ~~ Após devanear por uma de suas memorias, Hiden voltava sua atenção a atendente e sorria de forma meiga para a mesma. - Tratarei de não arrumar confusão enquanto estar aqui. Você poderia levar essas tortas para as moças que estão comigo? Devem estar com fome. - Sorriu para a atendente enquanto dava duas das três tortas, após o pedido, abriu a porta e entrou em seu quarto. Agora em silêncio em seu quarto, que lhe era bom após seu devaneio, tratou de sentar na cama e comer sua torta lentamente, aproveitaria o máximo do sabor da mesma, já que fazia algum tempo que não comia algo bem preparado. Sobre o que ouviu da ilha, estava curioso principalmente pelos mascarados e já tinha planejado seus próximos passos; se não tivesse nada de útil naquela noite, ele iria sair pela ilha e achar algum desses homens. Até lá, trataria de se entreter lendo alguma historia do seu livro. @Azrael
  4. [Vaehaven] Abismo

    13° Turno 3:03hrs da madrugada Enquanto segurava os tubos de ensaio, o cientista pode ouvir a resposta e ameaça da híbrida, o que lhe fazia ficar totalmente sem reação facial, havia parado a uma distância segura para ambos enquanto dava uma olhadela para Arrietty como se a julgasse por trazer uma ameaça ao seu laboratório, mas ele não parecia temer a força da mulher, já que sua postura continuou a mesma, porém de pouco em pouco um olhar frio surgiu em sua face. Cuidadosamente ele colocou os tubos de ensaio em cima de uma bancada qualquer e soltou um longo suspiro. - Eu realmente odeio pessoas que não enxergam um bom negocio. Primeiramente você vem a ilha e por minha causa você consegue passe livre a seita, já que Arrietty sabia que eu ficaria curioso por ti, após, eu lhe conto meu segredo de pesquisa e dou informações sobre outras híbridas que podem ser iguais a ti e você me retribui assim, falando mal do meu projeto? - Nesse momento sua voz aumentou e em um movimento único e rápido seu punho vai de encontro ao aquário mais próximo, fazendo todo o vidro se despedaçar e a água suja cair sobre o chão. Musa perceberia que o cientista era veloz e forte, já que mal conseguiu ver o movimento, contudo a mesma reagiu por instinto e saltou para trás disparando seu veneno, seu movimento retrogrado ia de encontro com a outra mulher do laboratório, mas essa simplesmente saiu do caminho e não fez nenhum movimento que parecesse uma ameaça. Já o óleo disparado foi de encontro com o cientista, que simplesmente criou uma agulha de um metro a partir da sua mão e rebatia o líquido para o chão, que após receber o ataque começa a ser corroído, em seguida Lovecraft a lança a mesma agulha em direção de Musa, que ao se defender pode sentir sua perna ser parcialmente perfurada, fazendo-a sentir a força do homem. O cientista que já havia perdido o controle da sua raiva, agora demonstrava apenas ódio em sua face após o ataque. - Eu sou um cientista que está criando um exército para os figurões mais fortes que possa imaginar, então realmente acha que VOCÊ pode me derrotar? Sua ignorância me enoja híbrida!Eu irei te empalar e extrair cada gota dessa substância. - O cientista demonstrava um claro descontrole, o que fazia cuspir sua superioridade perante Musa. - Ou melhor... Arrietty, leve-a para fora do meu laboratório e acabe com ela, já que trazer alguém tão mal intencionado é culpa sua... Confiarei na sua inocência e não em algum plano elaborado, caso contrário você sabe as consequências. - Apesar de seu claro tom de voz irritado, o cientista elegante de antes voltava a sua normalidade após dar uma olhada no chão atingido pelo óleo. A ordem fez com que a face de Arrietty transbordasse ódio, mas a mesma não ousava direcionar tal ódio ao homem, sua relutância em um primeiro momento em se movimentar fez que a mesma fosse fuzilada com os olhares do cientista, que parecia quebrar qualquer muralha de defesa que a mesma tentava por entre eles. Lovecraft que havia recuperado a postura começava a criar através de sua palma a traseira de uma agulha, só que essa continha um diâmetro suficientemente grande para criar uma parede entre eles com brechas pequenas demais para uma pessoa passar. Com isso restava duas opções, ou ir por livre e espontânea vontade ou ser forçada para a parede pelo homem que já começava a movimentar a agulha em direção a porta. - Adeus, Musa. - Lovecraft fazia questão de se despedir dando um enfase no nome da sereia. A suma sacerdotisa testemunhou a risada maligna e os dizeres do rapaz e aquilo deu uma certo calafrio em sua espinha, fazendo-la sentir que apesar dele ser fácil de enganar, mexer com ele poderia ser um tiro no pé, de qualquer forma tratou de ignorar e se virou para as bruxas que estavam ajoelhadas. Kyrie que pouco se importava com isso apenas admirava seu novo item adquirido e aguardava ansiosamente para tocar, mas antes disso a mulher-polvo começava seu discurso. - Irmãs, estamos aqui hoje para testemunhar o renascimento de uma de nós, a gloria que nos é concedida pelos lordes antigos é uma dádiva para nossas mais devotas irmãs, assim elas podem viver a semelhança dos nossos lordes no final dos tempos... Tragam-na. - Sua voz reverberava pelo salão. Nesse instante um pequeno alçapão se abre e dele surge uma capsula enorme cheia de água com uma mulher nua dentro, todas as mulheres gritavam palavras de uma língua estranha e desconhecida por Kyrie, que o mestre ta com preguiça de procurar, e deixavam aquele ritual com uma cara mais sombria. Em seguida as híbridas que estavam no altar iam até a capsula e a ajeitava em um local, conectando alguns tubos na mesma. - Como de praxe, após ser afogada nas águas profundas, nossa irmã será banhada pelo elixir máximo da vida, o sangue de uma inocente! - Ao término da sua frase uma criança com um vestido branco era puxada por correntes até o altar, sendo presa a mesa que ficava próxima da cápsula. Seu choro e gritos por socorro e por sua mamãe eram tão altos quanto as palavras que as bruxas cantavam, mas ninguém fazia questão de silencia-la, como se o seu desespero fosse parte da cerimonia. Assistindo aquilo de camarote a alguns metros, Kyrie perceberia que era a mesma criança que ele havia visto mais cedo no porto, e a "mãe" da criança era a que estava na cápsula. Após a criança ser presa, as bruxas ficaram em silêncio e apenas o choro era ouvido e amplificado quando a suma sacerdotisa ergueu um punhal acima do seu corpo. - DHO-HNA - Indagou antes de descer a adaga em direção ao corpo da menina. Se nesse momento a mulher não fosse interrompida, por que o mestre sinceramente não sabe se a pequena divindade vai se importar com isso, o punhal perfuraria o coração da menina, fazendo-a falecer, em seguida pequenas agulhas perfuram pontos no corpo com grandes veias para drenar o sangue que era despejado na cápsula da mulher nua, fazendo a água e o sangue se misturarem e escondendo a figura da mulher. - Agora, toque o violino! - Se Kyrie tivesse assistido tudo aquilo sem se intrometer, teria sua chance de tocar o violino para todos ali presentes. @Dona Kinne @Jinkei A cápsula é a mesma que estava no subterrâneo com Musa. Amanhã dou uma revisada e desculpa a mestragem enorme
  5. Hiden ouvia sobre as comidas que lhe eram oferecidas e negava todas com um sorriso e aceno de cabeça, pra ser sincero após um copo de saquê tudo que ele queria agora era uma boa e conhecida comida da sua ilha natal. Assim que a conversa chegou no rumo que ele queria, tratou de prestar atenção e tentou absorver tudo que lhe era dito, apesar de que o assunto não era familiar ou muito interessante, contudo estava curioso para saber se aquele mascarado era forte, e com as informações pode ter quase certeza disso. Não pode deixar de arquear uma de suas sobrancelhas ao ouvir sobre o farmacêutico e a estalagem, nesse momento ele encarou o homem com uma certa frieza, não é todo dia que te dizem na cara dura que você está sendo espionado, e nesse momento pensou em sacar sua espada e finaliza-lo ali mesmo, mas além da própria racionalidade, as ultimas palavras do barman acalmaram o rapaz. "Pelo que pude ver, com certeza são escravos, e parece que são organizados entre eles, já que trocam informações... Se for algo diferente disso, bem..." Após a encarada mas séria, voltou com seu semblante gentil mas sem rir para não ferir o momento tenso que foi criado. - Obrigado pela bebida e informações, quanto ao seu conselho seguirei por hora, mas trate de não falar sobre isso com mais ninguém, não gosto da ideia de ter meus passos controlados. - Apesar do sorriso, seu tom era sério enquanto jogava alguns berries no balcão. O samurai virou de costas e até deu dois passos em direção a saída, mas por relapso lembrou das duas mulheres que poderiam estar com fome, além dele próprio é claro, apesar de contraditorio, ele estar com saudades das comidas familiares não poderia faze-lo passar fome, e comprando algo aqui era como se matasse 3 coelhos numa jogada só; Matava sua fome, era um bom companheiro para as duas e fazia uma boa causa ao pobre trabalhador. - Pensando melhor, irei levar três tortas de maça para a viagem, por favor. - Voltou até o balcão e esperaria pelas tortas, pagando o valor devido após isso. Sem muitas delongas, caminhou lentamente até a saída sem encarar ninguém, tão pouco o mascarado, mas apoiaria a palma de sua mão no cabo da sua katana, pouco se importaria se aquilo parecesse uma ameaça ou não. Após confirmar que agora tinha uma recompensa e ter informações sobre a ilha, Hiden estava pronto para voltar a estalagem, estava curioso para saber se a gatuna havia acordado. @Azrael Foi mal a demora, eu estava meio enrolado mas agora da pra voltar.
  6. [Vaehaven] Abismo

    12° Turno O pequeno excêntrico chegou ao topo do altar sem nenhuma interrupção, mas ao fazer isso foi fuzilado com os olhares das duas híbridas que estavam lá. Pra variar, suas palavras não amenizaram a situação e, apesar de uma delas rir de modo abafado, a outra já dava passos em sua direção - Você está brincando com minha cara, seu merdinha? - Marcele, vulgo diabo-do-mar, estava enfurecida pelo que julgou ser uma gozação. - Outra dessa e eu te corto, a começar pelo seu brinquedinho ai de baixo... Fique próximo do violino que a suma-sacerdotisa já deve chegar para lidar com você... E não pegue o violino ainda! - Dava instruções enquanto uma de suas garras passava perigosamente pelo cós da calça de Kyrie, deixando claro pra maioria de qual brinquedinho falava. Próximo do violino, Kyrie perceberia a visão privilegiada que tinha sobre todas as ajoelhadas abaixo dele, sua mente poderia prover a imagem de um teatro lotado a espera de seu magnifico concerto ou de súditos rezando ao seu majestoso Deus. O que lhe fosse mais conveniente. Com uma espera suficiente para fazer o garoto loiro ficar no tédio, mas não pro mestre encher linguiça, a suma-sacerdotisa aparecia por de trás de forma silenciosa enquanto tocava a ponta de um de seus tentáculos pelo ombro e pescoço do garoto. - Então você voltou, o que significa serviço foi realizado? Excelente. - Seu sorriso marcante se destacava enquanto aproximava seu rosto junto do dele. - Como prometido, o violino está aqui para ti, só que antes dele ser seu, queremos que o toque após a nossa cerimonia... Compreenda que você é o nosso convidado especial e que poderá nos deleitar com sua música, então quando eu der o sinal você pode tocar o violino da maneira que quiser, mas precisa ser com afinco, precisa ser uma melodia para uma invocação digna de um deus! Sei que conseguirá pois és um também, né? Como sinal de boa fé, deixarei que pegue o violino para vê-lo, pequeno lorde. - Cada palavra era envolta de agrados e mimos cuidadosamente pensados por ela para persuadir o rapaz, já havia percebido sua inocência e tentava usar isso contra ele. Após a sacerdotisa se afastar com seus tentáculos, Kyrie poderia tirar o instrumento do estojo de madeira cheio de detalhes esverdeados e apreciar seu novo equipamento. Curiosamente, assim que tocasse no mesmo, sentiria uma forte sensação vinda do violino que por um mero segundo lhe traria uma sensação de "terror cósmico". Kyrie teria um tempo até sua performance ser requisitada e poderia se preparar. Musa perceberia que enquanto falava, o homem a sua frente não tirava os olhos de suas reações, nem mesmo uma mexida natural de pernas parecia passar despercebido de seus olhos. Ainda, continuou apenas com sua expressão séria e não mostrava a empolgação de antes com o que ouvia. Arrietty ouvia atentamente e era a que mais demonstrava empolgação, apesar de se segurar. Lovecraft esperou todas as perguntas virem e ficou algum tempo em silêncio. - Eu estava pensando que aquelas velhas haviam conseguido criar tal espécime, mas você veio de um acaso do destino, que surpreendente, você é especial de fato. - Falava serenamente enquanto se levantava e se aproximava do tubo com a mulher nua. - Desculpa pela sensação de aprisionamento, tentarei livrar mais o espaço. - O cientista soltava um leve sorriso de canto enquanto fazia o tubo deslizar por trilhos que iam rumo ao fim do laboratório. - Essa está pronta para a cerimonia, o que nos leva as suas perguntas. Eu não sou um subordinado, somos parceiros com propósitos distintos; Ela queria híbridas que a enxergassem como líder, então expulsei as velhas da seita e ela virou a líder de poucas desafortunadas ignorantes que ficaram, enquanto eu consegui um lugar que já tinha uma historia perfeita de camuflagem para fazer minhas experiencias genéticas. - Afastado alguns metros da sereia, o cientista não fazia questão de olha-la nos olhos, contudo seu tom demonstrava que o mesmo não mentia. - Quanto a sua última pergunta, é a mais complicada pois eu sou um caminho para a fé delas.. Bom, você não parece ser do tipo que acredita nesses lordes antigos, correto? Mas elas acreditam e devotam sua vida a isso... Elas só desejam virarem uma só com seus lordes e não se importam de como isso acontece... Eu sou apenas o facilitador de fazer essa crença continuar viva. Contudo, sendo justo com sua pergunta, elas não sabem que o que as transformam em híbridas é a minha ciência. - Nesse momento o cientista virava para Musa e observava atentamente sua reação, já havia percebido um certo olhar desconfortante e queria compreender totalmente o sentimento da sereia com tudo aquilo. Com o homem mais afastado, enquanto ouvia as respostas, Musa poderia notar melhor o laboratório, haviam diversas espécies marítimas presas em tubos de ensaio e aquários, desde simples peixes até criaturas que nunca havia visto. Um dos aquários era o mais chamativo pelo seu habitat diferente mas que ela já havia presenciado, a água suja e a terra podrida deixava claro que eram advindas do pântano da ilha, apesar de não ver nenhuma criatura lá dentro, ela conseguia sentir uma presença vinda de dentro. A sereia podia notar também que Arrietty ouvia toda a explicação sem expressar nenhuma surpresa, apesar de uma pequena expressão de descontentamento tomar-lhe a face, o que deixava claro de qual lado ela estava. Ao voltar sua atenção ao cientista, perceberia ele se aproximando novamente com alguns tubos de ensaio. - Eu estou muito curioso sobre essa substância química que te afetou... Se me permitir, gostaria de pegar amostras para alguns estudos... Em troca, posso te dizer a localização atual das velhas que eu mencionei. Diferente dessa nova seita, elas e Arrietty são sereias e podem ter informações mais valiosas de como a hibridez afeta a psique e outras coisas que não me interessam. - Questionou a híbrida esperando por uma proposta. Do contato inicial e pelas perguntas feitas, Musa perceberia que Lovecraft estava interessado apenas nas mudanças físicas e combativas que ocorriam nas híbridas, o outro lado da "moeda" não lhe era interessante e usual em sua pesquisa, o que poderia dizer muito sobre o cientista que ele era. @Dona Kinne @Jinkei
  7. [Missão Rank-C] Chance

    A frente do portão da vila o time, que ainda não tinha um nome bacana, aguardava seu sensei chegar com as instruções da missão, esse pra variar estava atrasado como sempre, provavelmente estava dando encima de alguma menina por ai. Assim que chegou, oque se viu foi um ero-sensei desanimado e incomodado com algo da sua boca. Rap estava curioso com a missão, queria uma aonde pudesse testar suas novas habilidades e parece que hoje ela seria bem mais importante que ajudar um velhote. As instruções vieram e com isso o desgosto do rebelde veio junto, a missão nada mais era que fazer um bico de segurança pra algum cantor famoso até outro pais, mesmo a missão sendo valiosa por poder conhecer mais o mundo shinobi, a frustração do garoto não passava, coisa que deixava clara com sua cara emputecida de sempre e as bufadas infantis a cada 10 segundos. Passou um tempo com a raiva contida enquanto imaginava quem poderia ser, pelo nome ele não se recordou de ninguém, até por que seu gosto musical não é muito popular na vila, mas sua espera findou-se quando percebeu uma multidão aparecendo junto do tal cantor, a figura causou um certo espanto no rapaz e não passava perto do que ele imaginava, sua face foi mudando para algo mais cômico e o estopim para sua risada foi a fala do Hikan. - Normais? HAHAHAHAHAHAHAHAHAHAHAH - Rap não era um ninja experiente como o sensei para segurar seu riso, ou alguém comportado como Hikan para não achar aquilo engraçado, tudo que fez foi rir, mas sem fazer um escândalo. - Tundssss HAHAHAHAAHAHAHAH. - Dessa vez não se aguentou ao ouvir o "tundss". - A dona do gritinho aqui deve ser sua fã, senhor Pereira. - Com um tom zombante fazia alusão a Sayuri e o seu gritinho do último treino. Rap Lee que normalmente não ria desse jeito, pois estava sempre querendo ficar puto, precisou se afastar para pegar um fôlego e se controlar, ele podia ser inconsequente e rebelde mas também era um ninja e queria agir como tão, e pra isso precisava de espaço. Por fim preferiu ficar mais longe e aguardar por ordens ou simplesmente começarem a viagem.
  8. [Shounen] Boku no Hero Academia

    Deixei juntar uns 5 capitulos e os li agora e me surpreendi... A qualidade dos capítulos foi bem bacana e realmente passou a sensação que ninguém está a salvo do caos e terror dos vilões... Os heróis estão tendo baixas consideráveis. A coelho numero 4 ta nas ultimas, o 6 morreu, o 2 ferido... Porra, eles estão bem ferrados agora pra lidar com o Shigakari e o machina. Se o manga vai rumar pra um divisor de águas onde todos os heróis importantes morrem e entra em time skip, com os alunos já adultos, creio que o hiato seria em uma era de caos com os vilão mandando em geral kkk Eu sinceramente gostaria disso, mas acho pouco provável, ele devem querer mostrar toda a evolução do Deku no manga e não em time skip
  9. [Vaehaven] Abismo

    12° Turno O trio excêntrico fazia o mesmo caminho de volta após passarem na missão de rpg que lhes foi incumbido. Prestava atenção no diálogo sem se envolver, sendo ela a bruxa que mais teve contato com ambos era a única da seita que não tinha dúvidas que era apenas coincidência os dois chegarem no mesmo dia, pois do que acompanhou até aqui, um é maluco e a outra é cética demais para segui-lo. Concluiu que era fruto do acaso. - Compreendo... Bom, a relação na seita em geral é de obediência pelo seu superior e dedicação a nossa causa, não somos misericordiosas com quem não segue tal conduta. Então salvo algumas exceções, pouco demostramos compaixão com quem quer que seja. - Arrietty falava em um tom normal e sem olhar para os que a acompanhava. - Quanto ao poder... Bem, ele está ligado diretamente com o nosso animal de renascimento, eu sou o Dragão negro, que é um peixe abissal, então adquiri a sua bioluminescência que acabou ganhando propriedades de ácido, mas isso varia de caso a caso, por exemplo, a Marcele é o Peixe diabo do mar e usa sua bioluminescência como se fosse uma hipnose, então os inimigos tem dificuldade de saber sua localização quando ela está na luz. Junto da Aqua somos as melhores em usar nossos poderes em combate, o restante ou é novata ou é inútil. - Dava uma pequena pausa para respirar e terminava em um tom diferente de antes que acompanhava um olhar ambíguo. - O interesse em nossas habilidades é mútuo. - 02:30h Se o diálogo do garoto loiro e a híbrida pouco avançou, a conversa das híbridas foi o suficiente para fazerem todo o percurso de volta e com algumas informações úteis. Perceberiam na hora que o salão das estátuas que passaram antes estava diferente, a música que ecoava em todo o ambiente vinha das bruxas, em suas vestes negras do pé a cabeça, ajoelhadas viradas toda para uma direção; Um enorme altar todo iluminado por velas avermelhadas. O trio tinha livre passagem para a casa, mas Arrietty não caminhou e virou para a pequena divindade que a acompanhava. - Fale com a velha que você cumpriu com sua parte, ai veja com ela o combinado que vocês tem. - Apontava para o altar enquanto o encarava. Kyrie veria no altar a caixa do violino que havia sido prometido a ele, bem como duas híbridas que não conhecia mas que eram Marcele e Aqua, mas nenhum sinal da suma sacerdotisa. Após instruir o garoto, Arrietty seguiu o restante do caminho em silêncio, havia entrado na casa e passado por alguns cômodos, até que por fim passaram por uma passagem secreta que as levava para o subsolo, que ao fim havia uma porta metálica. Antes de abrir a porta, Arrietty olhou para Musa com um olhar sério e puxou a porta. Um Laboratório totalmente diferente do resto do ambiente aparecia, apesar do cheiro e da umidade ser igual, o espaço era cheio de equipamentos científicos e alguns de medicina. Saltavam-se aos olhos os diversos desenhos do corpo humanos e de animais marinhos, bem como exemplares de animais vivos em um aquário, mas obviamente o que mais chamava a atenção era o enorme tubo cheio de água com uma mulher nua e inconsciente. - Que magnifico! - Um homem saia do fundo do cômodo e ia em direção as duas enquanto limpava sua mão ensanguentada em um pano. - Ouvi sobre você da sacerdotisa mas ela não soube detalhar a magnifica híbrida que eras... A trouxe na hora exata, Arrietty, acabei os preparativos para Victoria e ela está pronta para o ritual das bruxas. - O homem de elegância impar estendia sua mão a híbrida para cumprimenta-la. - Me chamo Lovecraft, que devo a honra de sua visita a meu laboratório e quintal de testes... - Pausava como se buscasse o nome para completar sua frase. - Musa... Ela veio atrás de informações sobre híbridas e a seita. - Arrietty respondia para o mestre não precisar de um turno pra isso. - Compreendo... Bem, perceberá que sou um cientista fascinado por animais marinhos e posso responder as suas perguntas, contudo... Estou curioso sobre você, de como a natureza lhe transformou em híbrida e as suas habilidades. Se estiver disposta em ser sincera comigo, compartilharei todas as informações com sinceridade. E isso é uma promessa! - Usava um ênfase no final da frase enquanto convidava ambas para adentar de vez. Apesar de estar em um ambiente diferente e a pessoa que detinha informações ser um homem não híbrido, Musa podia ter informações não só do seu estado como híbrida, mas também de como a seita realmente funcionava. @Dona Kinne @Jinkei
  10. Sentado no balcão tendo a companhia do hospitaleiro barman, Hiden apenas o olhava, mas suas palavras pouco lhe interessavam, seus pensamentos estavam inertes naquilo que mais o preocupava; sua recém descoberta nova recompensa. Pegou a caneca servida para ti e tomou todo o líquido em uma golada, tamanha era a sua familiaridade com o líquido que nenhuma cara feia era feita ao sentir o amargo descer pela garganta, na verdade via um sorriso de um homem a muito separado da sua bebida preferida. "Preciso de uma garrafa de saquê para minhas aventuras, a bebida faz o homem relaxar em horas assim" Pensamento esse sendo culpa ~minha~ da sua nova vida pirata. "Eu sabia que isso podia acontecer pelo o conflito no trem, mesmo boa parte não sendo minha culpa, mas ainda sim é um baque... Lógico, não me preocupo com quem venha atrás de mim pela recompensa, que venham a morte pela minha espada, mas essa atenção desnecessária é angustiante." Além da atenção que poderia receber agora de caçadores de recompensa e da marinha, o fato de ser pirata também rondava sua mente, basicamente o que leu sobre eles é serem um bando de selvagens em alto mar para fazer o mal aonde quer que vão, já havia presenciado esse fato, mas também sentia que ser pirata era uma aventura com total liberdade, sem leis e regras. Essa última parte agradava o samurai, o suficiente para não se sentir ruim sendo um pirata. Mesmo que por hora estivesse mais interessado em seus problemas, Hiden havia visto coisas interessantes na cidade, como as mascaras de animais e palhaços, em sua cabeça havia chutado que eram alguma autoridade na ilha, então levou isso como verdade e tentaria ignora-los. Contudo, o samurai não pode seguir seu plano quando viu um espadachim mascarado entrando no bar. Em ordem, reparou nas espadas, máscara e por fim nas pernas mecânicas. Se ali fosse um tinder, isso seria um match, a pessoa com a máscara de Tengu chamou toda a atenção do samurai, ao ponto dele abrir um sorriso e seguir o homem com os olhos, evidentemente não era um interesse sexual e sim uma curiosidade e combinação de fatores que lhe agradavam. Ao perceber que os clientes e o próprio barman ficaram acuados com a presença, voltou a virar de frente para o balcão e disfarçar. Agora que sua curiosidade estava renovada, precisava conversar com o até então barman ignorado. - Não sei se reparou mas eu sou um estrangeiro de passagem por aqui e a situação de parte da população me chamou a atenção... Os trabalhadores das minas são servos ou escravos? - Fazia sua pergunta sem mostrar muita curiosidade e em um tom tranquilo. - Alias, senhor, vi que ficou acuado com a presença do sujeito, quem ele é? Pois se está desconfortável é só retira-lo do seu estabelecimento. - Claramente era cauteloso e falava baixo, pois apesar da sugestão de retira-lo fosse apenas uma provocação para se nortear, ele não precisava arrumar uma confusão com o homem misterioso... ou precisava? Hiden pegou seu copo e novamente tomou a bebida em um só gole, batendo a caneca na mesa e negando uma outra dose, diferente de quem escreve, o personagem sabe quando parar. Esperaria as informações para seguir com seus próximos passos, o mascarado parecia ignorar a presença do samurai e esse por sua vez não era de ter medo. @Azrael
  11. ONE PIECE #981 -DISCUSSÃO DO CAPÍTULO

    Usar a tripulação de um yonkou como alivio cômico é complicado... mas é o que temos agora, se não foram bem aproveitados no arco deles, imagina agora que estamos em outro... Sinceramente espero que fiquem de fora até o final. Agora a titulo de curiosidade, Queen na hora da apresentação da tripulação, chegou a apresentar os filhos da B.M né? Estou gostando do Apoo demonstrar ser um personagem forte, afinal é um capitão da pior geração e isso tem que ser levado em conta... Provavelmente fará um x1 com o Kid. Agora, parece que Who who's e Sasaki vão protagonizar a busca pelo filho do Kaido e a luta com Queen.
  12. [Shounen] The Promised Neverland

    Finalmente está kkkk Eu li poucos mangas que decaíram tanto igual a esse, os últimos arcos foram pavorosos e os últimos capítulos li apenas por ler... Eu fiquei até preocupado de ter mais capítulos mas felizmente vai acabar no próximo.
  13. Atualização de Ficha Ninja

    Link para a ficha: Rap leePedido: Adicionar o total de ryos no inventario: ¥ 2.000 ryōs Adicionar os estilos de luta aprendido no treino que eu esqueci; Shurikenjutsu; Estilo secundário: Suiken Adicionar +1 slot em jutsu (indo para 16) pela reputação ter subido para esforçado Adicionar 3 pontos em tai e colocar os 6 pontos em Velocidade. Ficando respectivamente 34 pontos em tai e 38 pontos em velocidade. Pontos da reputação ter subido para esforçado Atualizar o total de pontos para 40. O total de pontos não está batendo com a soma dos atributos. Atualizar o total de Chakra para 56 @Harper Os respectivos links que comprovam esses ganhos estão faltando. Refaça o pedido adicionando-os.
  14. [Vaehaven] Abismo

    11° Turno A híbrida não era desleixada o suficiente para deixar o pequeno animal ir embora, sabiamente pois fosse o que fosse o equipamento com certeza alertaria quem o visse. Apesar da sua pequena desvantagem e o animal ser de hábitos noturnos, chegou a ser covardia a curta caçada, Musa era assustadoramente mais rápida e acabou com o pequeno animal em um único golpe, findando junto o pequeno equipamento. Nesse meio tempo o som que a incomodava acabou e seus sentidos voltaram normalmente. Sua curta caçada se deu em um curto percurso, então logo estava ao lado da bruxa novamente, essa que assistiu Musa com um sorriso no rosto. - Você de fato parece estar curiosa sobre a seita e as híbridas daqui, já que é uma também... Se não fosse isso eu ficaria preocupada de ter uma revolucionaria curiosa e forte rondando aqui. - Seu sorriso continuava enquanto escondia o braço azulado. - Não sei o que procura exatamente, mas te levarei a uma pessoa que deve sanar suas curiosidades, pelo menos as que abrangem o conhecimento dele... Só não posso dizer que você sairá satisfeita. - Findou virando as costas e indo em direção lentamente da entrada da caverna e consequentemente mais próxima da outra batalha. - Um conselho... Não diga nada sobre ser uma revolucionaria para ele. - Dizia com um certo tom de alerta enquanto virava seu pescoço, afim de mostrar apenas metade do seu rosto. Após servir de guarda costa para a seita, Musa finalmente poderia conhecer alguém útil ao seu objetivo, contudo também tinha uma híbrida a sua frente que parecia ter dado brechas para perguntas ou um diálogo sobre a "situação" genética de ambas. Kyrie já estava farto do seu inimigo e sua persistência, então após desviar com certa facilidade dos cortes, começou uma sequência de ataques para aniquila-lo de vez. Entretanto, sua sapientia mostraria que toda persistência tem um fim e a do Marine havia acabado. Não tão longe, perceberia uma raposa correndo entre o desmatado buscando desaparecer quando chegasse na mata densa. Seu adeus ambíguo era de fato o inicio de sua fuga. Impiedoso como somente um deus que foi provocado pode ser, a pequena divindade se aproximou pelos ares e lançou seu redemoinho de fogo na direção do seu inimigo cansado e desprevenido. Aisa até se esquivou da maior parte do golpe mas esse era um ataque em área chato de se lidar quando cansado e por focar nisso esqueceu que acima dele havia um pirata cheio de habilidades. O corte foi único e rápido, pouco deu para Aisa fazer, a não ser voltar pra sua forma humana e lançar seu último olhar de peixe morto para o homem que pairava no ar acima dele, após isso teve sua cabeça decepada. Kyrie pousou tranquilamente no solo e viu seu redemoinho de fogo cessar antes que queimasse alguma parte da floresta, no campo de batalha a névoa tinha diminuído drasticamente pelos ataques de ambos, então a visão para o corpo morto do marine era clara, tão quanto a figura das duas híbridas que pareciam o espera-lo na porta da caverna. Com o fim da sua missão pelo violino acabada, ele podia finalmente voltar para a sede da seita e ter seu prêmio. - Você é alguém perigo de se ter por perto... E com essa habilidade vai servir para o que a velha quer contigo. - Arrietty se direcionava ao garoto loiro, assim que ele fosse em direção a elas, seu tom de voz era mais ríspido do que com a híbrida, mostrando claramente com quem tinha mais afinidade. - De qualquer forma, o combinado foi cumprido. Vamos voltar que os preparativos para hoje devem estar quase prontos. - A híbrida falou com ambos e voltou a correr adentrando a caverna. O trio faria o mesmo caminho de volta de antes para ir até a sede da seita, cada qual satisfeito e com seus objetivos em vista. @Jinkei @Dona Kinne
  15. Atualização de Ficha Ninja

    Link para a ficha: Rap leePedido: - Atualizar Ryos: 18K (existente) +9k da missão rank D - 15k das duas Jarras de Suiken e -10k do arsenal de shurikenjutsu = 2k Ryos - Colocar 3 pontos em taijutsu, ficando o total com 31. distribuir os 6 pontos em velocidade, ficando o total com 32 pontos. - Atualizar o chacra para: 53 pontos - Reputação sobe para Dedicado - Adicionar os dois kits que vou comprar do ninja shop e mudar o inventario para: Inventário Link para avaliação do GM: Missão Rank D Treino Feito. Note que a progressão se dá baseado nas notas do devido Rank. Ter dois excelentes em Rank-D não te faz dedicado. Permanece como Esforçado. Do contrário seria somente necessário fazer 6 aventuras no Rank-D, tirar excelente e você já seria uma Lenda e poderia ir missões Rank-S. Não é o caso, obviamente.